Documento simples 007 - Jornal do CV -1956

Abrir original Objeto digital

Zona de identificação

Código de referência

PT/AMOA/APRIV/EMP/CV/270/007

Título

Jornal do CV -1956

Data(s)

  • 1956-05-31 (Produção)

Nível de descrição

Documento simples

Dimensão e suporte

4 p.; papel

Zona do contexto

Nome do produtor

(1926-2000)

História administrativa

A história da produção vidreira em Oliveira de Azeméis remonta, pelo menos, ao século XVI, com a construção de um engenho de vidro na Quinta do Côvo, na atual freguesia de S. Roque.
Desde a sua origem, na Fábrica de Vidros do Covo, até à constituição do Centro Vidreiro do Norte de Portugal, no segundo quartel do séc. XX, a produção de vidro em Oliveira de Azeméis foi liderada por cerca de seis sociedades comerciais.
A fusão destas unidades fabris, após várias roturas financeiras e desavenças entre técnicos, operários e entidade patronal, gera então o aparecimento e a centralização de toda a produção vidreira no nosso concelho numa única fábrica de grande capacidade produtiva e administrativa, constituindo-se assim, em 1926, uma sociedade de grande êxito fundada por três sócios administradores: Augusto Guerra, Ramiro Gomes Mateiro e António Nunes, designada por Centro Vidreiro do Norte de Portugal.
Esta indústria oliveirense desenvolve uma série de inovadoras técnicas de produção, através do fabrico mecânico de frascaria para perfumes e embalagens farmacêuticas, apresentando em 1947 uma capacidade de produção suficiente para abastecer o mercado português e ainda para exportação de excedentes produzidos. Durante a década de 1950 e até aos anos 70, através de um planeamento estratégico da sua administração, construíram-se uma série de novos edifícios e adquiriram-se novas máquinas, incrementando assim a sua capacidade produtiva. Em termos de exemplo de sucesso, podemos referir que, nos seus tempos áureos, o Centro Vidreiro tinha uma capacidade produtiva média de cerca de 5 toneladas de vidro por 24 horas e empregava cerca de 800 funcionários.
A laboração do Centro Vidreiro estendeu-se até 2000, ano no qual a sociedade abriu falência e encerrou as suas instalações de produção de vidro. Durante a fase de maior expansão, foi responsável pela introdução de mecanismos inovadores na produção vidreira em Portugal.

História do arquivo

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Zona do conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de organização

Zona de condições de acesso e utilização

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de descrição

Zona de documentação associada

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Zona das notas

Nota

Jornal original cedido para reprodução por Júlio e Regina Mateiro

Identificador(es) alternativo(s)

Pontos de acesso

Pontos de acesso - Assuntos

Pontos de acesso - Locais

Pontos de acesso - Nomes

Pontos de acesso de género

Zona do controlo da descrição

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Estatuto

Nível de detalhe

Mínimo

Datas de criação, revisão, eliminação

Línguas e escritas

  • português

Script(s)

Fontes

Objeto digital (Matriz) zona de direitos

Objeto digital (Referência) zona de direitos

Objeto digital (Ícone) zona de direitos

Zona da incorporação

Pessoas e organizações relacionadas

Géneros relacionados

Locais relacionados